Pílulas anticoncepcionais na adolescência aumentam as chances de depressão em mulheres mais de 130%, indica estudo | Fantástica Cultural

Artigo Pílulas anticoncepcionais na adolescência aumentam as chances de depressão em mulheres mais de 130%, indica estudo
R E P O R T A G E MPsicologia & Comportamento

Pílulas anticoncepcionais na adolescência aumentam as chances de depressão em mulheres mais de 130%, indica estudo

Autores Selecionados ⋅ 12 jul. 2023
Compartilhar pelo FacebookCompartilhar por WhatsAppCitar este artigo

Um novo estudo descobriu que as mulheres que começam a tomar pílulas anticoncepcionais na adolescência têm 130% mais chances de apresentar sintomas de depressão.

Matéria original de Hannah Claire Brimelow, Timcast


utero mulher flores

Uma equipe de pesquisadores analisou os resultados de questionários de saúde preenchidas por 264.557 mulheres e descobriu que as usuárias de anticoncepcionais orais relataram um aumento de 92% nos sintomas de depressão. Além disso, o estudo constatou que as mulheres que começam a tomar a pílula aos 20 anos ou antes são significativamente mais propensas a ter sintomas de depressão do que as mulheres que não usam contraceptivos orais.

"Nossas descobertas sugerem que o uso de pílulas anticoncepcionais, particularmente durante os primeiros dois anos, aumenta o risco de depressão", afirma o relatório publicado pela Cambridge University Press em 12 de junho de 2023. "Além disso, o uso de pílulas anticoncepcionais durante a adolescência pode aumentar o risco de depressão mais tarde na vida. Nossos resultados são consistentes com uma relação causal entre o uso de pílulas anticoncepcionais e a depressão, conforme apoiado pela análise de irmãos."

"Embora o risco não tenha sido tão pronunciado além dos primeiros dois anos, cada uso de pílulas anticoncepcionais ainda estava associado a um aumento do risco de depressão ao longo da vida", observou o estudo. "Médicos e pacientes devem estar cientes desse risco potencial ao considerar pílulas anticoncepcionais, e avaliações de risco-benefício individualizadas devem ser realizadas."

As taxas de depressão permaneceram altas mesmo entre as usuárias adolescentes que pararam de tomar a pílula.

Este estudo é um dos maiores e mais abrangentes já realizados sobre o assunto. Também combina outras pesquisas recentes que ligam o controle de natalidade oral à depressão em mulheres.

"Embora a contracepção tenha muitas vantagens para as mulheres, tanto médicos quanto pacientes devem ser informados sobre os efeitos colaterais identificados nesta e em pesquisas anteriores", disse Therese Johansson, do Departamento de Imunologia, Genética e Patologia da Universidade de Uppsala, em comunicado. Johansson foi um dos pesquisadores que liderou o estudo.

"A poderosa influência das pílulas anticoncepcionais nos adolescentes pode ser atribuída às mudanças hormonais causadas pela puberdade. Como as mulheres dessa faixa etária já passaram por mudanças hormonais substanciais, elas podem ser mais receptivas não só às mudanças hormonais, mas também a outras experiências de vida", acrescentou.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (nos Estados Unidos), aproximadamente 65% das mulheres norte-americanas entre 15 e 49 anos usaram algum tipo de contracepção entre 2015-2017. Dessas mulheres, 12,6% usavam pílulas anticoncepcionais e 10,3% usavam contraceptivos reversíveis de longa duração, como injeções ou dispositivos intrauterinos. A forma mais comum de contraceptivo era a esterilização feminina, embora fosse significativamente mais comum entre mulheres com mais de 30 anos.

Cerca de 17% das mulheres entre 15 e 19 anos usaram a pílula, assim como cerca de 20% das mulheres entre 20 e 29 anos e 11% das mulheres entre 30 e 39 anos. O uso de pílula anticoncepcional aumentou com o ensino superior. As mulheres que obtiveram um diploma de bacharel (16,3%) eram mais propensas a usar a pílula do que as mulheres com educação universitária incompleta (10,1%), mulheres com diploma de ensino médio (7%) ou mulheres sem diploma de ensino médio ou equivalente (4,9%).

A Mayo Clinic (centro médico-acadêmico norte-americano focado em cuidados de saúde integrados, educação e pesquisa) relatou em 2019 que as mulheres têm duas vezes mais chances do que os homens de serem diagnosticadas com depressão. A clínica não reconheceu o controle de natalidade como um possível fator contribuinte.


Fontes: Hannah Claire Brimelow, Timcast https://timcast.com/news/women-who-start-birth-control-in-teens-130-more-likely-to-exhibit-depression-symptoms/

foto do autor

Autores Selecionados

Escritores, ensaístas e jornalistas em destaque




SÉRIE NUM FUTURO PRÓXIMO

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

NUNCA PERCA UM POST







Merlin Capista de Livros Sobre Merlin - Capista de Livros Como Publicar seu Livro ou E-Book - Merlin Capista Criação de Capas de Livro - Merlin Capista Diagramação de Livro - Merlin Capista Portfólio de Capas de Livro - Merlin Capista Portfólio de Ilustrações e Design - Merlin Capista Orçamento - Merlin Capista de Livros Contato - Merlin capista de Livros